BRASIL IGUALA-SE A ISRAEL E PODERÁ IGUALAR-SE AOS EUA

Uma simples “nota informativa” conseguiu expor as reais dimensões do analfabetismo funcional do povo brasileiro. E o que é pior, a incapacidade de ler e interpretar um texto não é um mal que ataca apenas estudantes, mas também está presente também nos mais altos círculos políticos e, lamentavelmente, nas redações de jornais, revistas e emissoras de rádio e televisão. O brasileiro, de fato, não sabe ler.

Na sexta-feira, 17, o Comitê dos Direitos Humanos da ONU (CDH) publicou em sua página uma “nota informativa”, com apenas dois parágrafos, e o mundo político brasileiro veio abaixo!

Na nota – e passo a citar, com as devidas aspas – o CDH “pediu” ao Brasil “que tome todas as medidas necessárias” para garantir que [o ex-presidente] Lula “possa desfrutar e exercer seus direitos políticos enquanto estiver na prisão”. O CDH “solicitou” ainda que o Brasil não impedisse que o presidiário fosse eleito “até que seus recursos nos tribunais fossem concluídos”.

Para que não restasse dúvida do caráter informal do pedido, o CDH afirmou – e novamente passo a citar – que “o nome técnico para este pedido é ‘medidas provisórias’ e estas dizem respeito à sua queixa pendente [do Lula] que permanece perante o Comité”.

A “nota” diz ainda que embora faça tal “pedido”, isso não significa “que o Comitê tenha encontrado alguma violação” do Governo brasileiro, mas que se trata de uma forma de preservar o direito do presidiário.

Nas três linhas finais da breve “nota”, o CDH deixa claro o caráter informal da declaração e as limitações diplomáticas do órgão que a assina: “É importante notar que, embora esta resposta esteja sendo fornecida pelo Escritório de Direitos Humanos da ONU, é uma decisão do Comitê de Direitos Humanos, que é formado por especialistas independentes. Esta resposta pode ser atribuída ao Comitê de Direitos Humanos.”

Não é um documento, ninguém assina, não vale para nada!

Mas não foi esta a interpretação dada pelos defensores do político condenado e para isso contou com a complacência, conivência e desconhecimento de grande parte dos jornalistas brasileiros.

A primeira e mais importante derrapagem veio na confusão imensa que fizeram dos órgãos das Nações Unidas. Houve uma confusão generalizada entre o que era o Comitê dos Direitos Humanos da ONU, o órgão que emitiu a “nota”, e o Conselho dos Direitos Humanos da ONU.


Acima, à esquerda: Página do Conselho dos Direitos Humanos da ONU
Acima, à direita: Página do Comitê dos Direitos Humanos da ONU

A primeira confusão surgiu quando duas jornalistas da escreverem um texto completamente descabido sobre o assunto. Embora sejam jornalistas ligadas à BBC Brasil, basta dar uma rápida olhada pelas redes sociais de Marina Wentzel e Mariana Schreiber (imagens abaixo) para perceber que elas estão mais a serviço das suas crenças e ideologias do que da verdade dos fatos.

A reportagem assinada por Wentzel e Schreiber por dizer que o CDH da ONU “acolheu pedido da defesa de Luiz Inácio Lula da Silva”, fato que não consta da “nota” do CDH, até porque isso não é atribuição do comitê.

Wentzel e Schreiber chegam mesmo ao ponto de transformar uma mera sugestão em lei ao afirmarem que “em documento a que a BBC News Brasil teve acesso” o comitê teria solicitado que o ex-presidente, e agora presidiário, tivesse acesso à imprensa e a políticos.

Não há “documento” nenhum por um simples fato: O CDH não tem poder para emitir documento algum.

Surpreendentemente, duas jornalistas, provavelmente bem pagas, de uma organização centenária aparentemente não sabem a diferença entre o CONSELHO dos Direito Humanos e o COMITÊ dos Direitos Humanos da ONU. Enquanto o primeiro emite resoluções, o segundo dá sugestões. O primeiro tem algum poder, o segundo só faz figuração.

Rapidamente, a informação distorcida virou arma nas mãos dos lacaios do ex-presidente preso, que passaram a alardear os riscos que o país corria ao ser alvo de uma condenação das Nações Unidas. Ora, nem mesmo o Secretário Geral da ONU tem o poder de impor o que quer que seja a país nenhum. Qualquer resolução contra um país só tem peso se for aprovada numa Assembleia Geral das Nações Unidas e mesmo assim ainda tem que passar pelo crivo do Conselho de Segurança daquela organização.

Quando a “notícia” caiu nas redes sociais, o que era desinformação virou burrice mesmo.

Há dezenas de posts estúpidos sobre o tema, mas destaco um, com mais de 7 mil partilhas, por ele representar bem o tamanho da estupidez que se seguiu.

A imagem acima, compartilhada numa rede social acompanhada de um comentário, diz que “a decisão [sic] reconhece a existência de violação ao artigo 25 do Pacto de Direitos Civis da ONU”. Besteira pura. Não há nada disso na “nota” do CDH.

Para dar um caráter “oficial” ao comentário, o post diz ainda que “por meio do Decreto nº 6.949/2009 o Brasil incorporou ao ordenamento jurídico pátrio o Protocolo Facultativo que reconhece a jurisdição do Comitê de Direitos Humanos da ONU e a obrigatoriedade de suas decisões”. Mais besteira ainda.

Há neste post pelo menos 9 mentiras. 1. A ONU não enviou ofício ao Governo Brasileiro; 2. A ONU não exigiu que o Lula seja candidato; 3. O Brasil não é membro do Comitê dos Direitos Humanos; 4. O CDH não emite “decisões”; 5. Nenhum membro do CDH é obrigado a acatar decisões, pois elas não existem; 6. A “nota” divulgada pelo CDH não reconhece a violação do artigo 25 do Pacto dos Direitos Civis da ONU; 7. O Decreto 6.949/2009 fala dos DIREITOS DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA, e não diz absolutamente nada sobre a ONU; 8. A “nota” divulgada pelo CDH não proíbe nenhum órgão brasileiro de cumprir as leis locais; 9. A Globo e a mídia deram sim cobertura à “nota” do CDH da ONU.

Na sequência da celeuma que se instalou no país, um especialista em política internacional esplicou, numa entrevista a uma emissora de rádio de São Paulo, que “o máximo que poderá acontecer é o Brasil ficar com a imagem manchada, como acontece com Israel, quando não aceita recomendações da ONU”.

Logo depois, foi a vez do presidenciável Jair Bolsonaro afirmar que se for eleito, trabalhará para que o Brasil saia do Conselho de Direitos Humanos da ONU. Na verdade, Bolsonaro nem precisa se preocupar com isso, pois o Brasil sairá automaticamente no final de 2019, deixando a responsabilidade de cuidar dos Direitos Humanos no mundo nas mãos de representantes de países maravilhosos como Egito, Iraque, Ruanda, Arábia Saudita, Tunísia, China e Cuba.

Sim, todos estes países são membros do Conselho de Direitos Humanos da ONU.

Se não respeitar as “recomendações” do Comitê de Direitos Humanos da ONU coloca o Brasil no mesmo nível do Estado de Israel, deixar de fazer parte do Conselho dos Direitos Humanos da ONU igualará o Brasil ao mesmo nível diplomático dos Estados Unidos da América, que abandonaram este Conselho há apenas dois meses, em junho de 2018.

Estaremos em boa companhia.

Anúncios

Um comentário sobre “BRASIL IGUALA-SE A ISRAEL E PODERÁ IGUALAR-SE AOS EUA

  1. Entendo que Estados unidos e Israel são países desenvolvidos inteligíveis prova disso é a prosperidade de seu povo e o Brasil dando grande passo .

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s