Publicado por: noticiasdesiao | 13 de julho de 2015

PALESTINA

NOTA: Sempre que possível, NDS procura utilizar os termos corretos para se referir à Israel, à sua História e ao seu Povo. Fazemos isso pois cremos que o contínuo e repetitivo uso de expressões inadequadas acabam por legitimar lendas, credibilizar revisionistas e comprometer a autenticidade dos fatos. Todas as vezes que, para compreensão de determinados textos, formos obrigados a utilizar expressões que ferem a verdade, o faremos devidamente grafadas em itálico e com ligações a páginas onde nossos leitores poderão encontrar a posição oficial do blogue.

Israel versus Palestine

ISRAEL NÃO É PALESTINA E NÃO EXISTE UM POVO PALESTINO

É comum ouvirmos setores da mídia – praticamente todos – referir-se a determinadas áreas da Terra Santa como Palestina e aos árabes israelenses como Palestinos. Das páginas dos jornais às páginas de algumas Bíblias, não é difícil lermos notícias a respeito de supostos palestinos ou nos depararmos com mapas apontando uma inexistente “Palestina dos Tempos de Jesus”.

Nós que fazemos o blogue NOTÍCIAS DE SIÃO acreditamos e defendemos que o atual Estado de Israel está localizado num território que no passado compreendeu diversas regiões, sendo que as mais predominantes foram Judeia, Samaria e Galileia; e em menor parte Idumeia, Fenícia e Filístia.

Os redatores do NDS acreditam e defendem que utilizar o etnônimo “palestinos” para designar o povo que reside na Faixa de Gaza e em algumas partes da Judeia e da Samaria é tão sem sentido quanto chamá-los de idumeus ou fenícios; e referir-se à Terra de Israel como Palestina é geograficamente errado, historicamente anacrônico e politicamente manipulador.

GEOGRAFICAMENTE ERRADO – Usar o termo Palestina para designar Israel é geograficamente errado, uma vez que a Palestina, expressão derivada da palavra Filístia, nunca teve seus territórios estendidos por toda a área que é hoje reclamada pelos árabes israelenses. A Filístia era na verdade uma pequena faixa de terra localizada a sudoeste de Israel numa área que envolvia 5 cidades denominadas Pentápolis Filisteia.

As cidades que compunham a Pentápolis Filisteia eram Ekron, Gath, Ashdod, Ashkelon e Gaza. Localizada a 35 km a sudoeste de Jerusalém, Ekron era a que mais adentrava ao território do atual Estado de Israel e a menos importante delas. Suas ruínas formam hoje o Tel Mikne, um sítio arqueológico existente nas cercanias da pequena vila de Akir.

Ekron é citada no livro de Josué (13.3) e juntamente com Gath não faziam parte do eixo principal da Pentápolis: Ashdod, Ashkelon e Gaza, cidades todas restritas a uma pequena faixa de terra junto ao Mar Mediterrâneo que era habitada pelos Filisteus desde o ano 1175 a.C. Se há uma região chamada Palestina e um povo palestino, é justamente essa região e esse povo, ou seja, geograficamente restrito à região da antiga Pentápolis.

HISTORICAMENTE ANACRÔNICO – Chamar a Terra de Israel de Palestina não só é geograficamente como historicamente não faz sentido. A Pentápolis Filisteia, base da antiga Palestina, não só era menor do que popularmente se imagina como deixou de existir há muitos anos. Após a conquista assíria do Levante, em 722 aC. as 5 cidades que compunham a Pentápolis foram arrasadas e o que restou do seu povo foi deportado para a Babilônia, juntamente com os judeus, em 587a.C. Anos depois, a Babilônia foi derrotada pelos persas e Ciro, o Grande, permitiu a volta dos judeus para Israel, mas não dos palestinos para Pentápolis. Assimilados e escravizados, o verdadeiro povo palestino acabou por desaparecer da face da terra. E isso aconteceu há mais de 2.500 anos.

POLITICAMENTE MANIPULADOR – Após a Diáspora Judaica, iniciada no ano 70 d.C., a maioria dos judeus residentes em Israel foi dispersa pela Ásia Menor, pela África e por todo o sul da Europa em decorrência da derrota imposta pelas tropas romanas que dominavam a Terra Santa. Simultânea e estrategicamente, os romanos rebatizaram a região como Palestina, dando a todo o território judaico o nome que anteriormente restringia-se apenas à antiga Pentápolis. O objetivo era não só expulsar os judeus das suas terras, mas varrer a nação do mapa. Se tomarmos qualquer livro de História, qualquer jornal ou mesmo qualquer filme anterior aos anos 1970 d.C. (ontem), veremos que não era comum chamar os não judeus residentes na “Palestina” de “palestinos”. De Saladino a Abdel Gamar Nasser o que vemos são as lideranças árabes referirem-se aos atuais palestinos como “os árabes da Palestina”. Foi o terrorista Yasser Arafat, fundador da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), quem percebeu a importância de dar à causa um povo e acabou por chamar os árabes da Palestina de Palestinos. Desde então, lideranças árabes de todo o mundo passaram a chamá-los assim e nos dias de hoje até mesmo os israelenses incorporaram o termo ao seu vocabulário.

FOTOS E FATOS

É comum ouvirmos revisionistas dizerem que os Estados Unidos criaram o Estado de Israel como compensação pela forma como os judeus foram massacrado durante a Shoah imposta pelo nazismo. Estes mesmos revisionistas dizem que até então só havia árabes na Palestina. Nada mais errado. Nunca deixou de haver judeus em Israel, mesmo quando a Terra foi rebatizada como Palestina.

Kindergarten Rishon-Lezion
Crianças judias num Jardim de Infância na cidade judaica de Rishon Lezion. A foto é de 1898, ou seja, anterior mesmo à I Guerra Mundial.

Visit Israel 1890
Em hebraico, uma propaganda de 1890 convida turistas a “Ir e ver a Terra de Israel” na Palestina meio século antes do Holocausto e quase 60 anos antes da Independência do Estado de Israel.

Israel Map 1756
Mapa da Thomas Stackhouse mostra a Dispersão dos Judeus pela Asia menor, África e sul da Europa. Além da Terra Santa, aqui apresentada como Canaã, pode-se ver o Egito, a Síria, a Pérsia e a Arábia entre outros, mas não a Palestina. O mapa foi feito em 1756, 141 anos antes do 1º Congresso Sionista, e quase 200 anos antes da ONU votar a Resolução 186, que devolveu ao povo judeu a sua legítima Terra.

Anúncios

Responses

  1. […] relativamente às violações dos ‘direitos de liberdade, igualdade e autodeterminação dos palestinos, através da limpeza étnica, colonização, discriminação racial e ocupação militar’”, […]

  2. O problema é que até a mídia que deveria ser séria faz pequenas desonestidades que vão se fixando na mente dos incautos. Tenho uma revista sobre história desse mês (qual não lembro o nome, pois estou no trabalho, mas a noite o coloco) que traz na capa uma reportagem sobre o genocídio armênio. Pois nela há uma sobre Alexandre, o Grande, e no mapa de suas conquistas, na terra de Israel, está como palestina. Fiquei perplexo com o critério do por quê chamarem de palestina, pois foi quase 400 anos antes dos romanos rebatizarem a terra de Israel com esse nome, e hoje em dia esse nome já não se aplica. São com pequenas coisas assim que, inconscientemente, a ideia de uma palestina que nunca existiu vai se firmando na mente dos menos instruídos ou dos instruídos antissemitas.

    • Picoli, seus comentários abrilhantam meu blog. Todah rabah! (“Muito Obrigado!”)

      • Olá Roberto, obrigado pelo reconhecimento, seu blog além de ser muito informativo,também é uma fonte de prazer, com as reportagens sobre o dia a dia de uma terra que sonho conhecer. Quanto a revista que citei, é a Leituras da História, n° 83, editora Escala. A revista em si não tem nenhuma inclinação ideológica, pois traz vários tópicos sobre arqueologia em Israel, como uma lâmpada de 1400 anos e uma cervejaria de 5000 anos encontradas em Horbat Siv e Tel Aviv, respectivamente.

        Porém num encarte especial chamado História em perspectiva n° 53, escrito por Dimas da Cruz Oliveira, membro da Academia de Letras do triângulo Mineiro, intitulado “Inigualável” sobre a trajetória de Alexandre o grande, traz em sua página 13 um mapa da campanha de Alexandre, e além de nomear errado comete uma enorme redundância.

        Sobre as terras israelenses, ele coloca o nome de Palestina, que como o teu próprio artigo mostra, nem existia na época, o que existia era Judá e Israel conquistados pelo Império Persa, e acima onde hoje é o Líbano, ele coloca como Fenícia, ou seja, cita 2 nomes para a mesma coisa, e que nem existia na época, nem existe hoje.

        São essas pequenas coisas que demonstram a doutrinação marxista em nossos cursos de história, e a má fé do autor, que de grão em grão, vai colocando fatos mentirosos na mente de seus leitores, que logo jurarão de pé junto (como um vivente já jurou pra mim) que Israel “invadiu” países milenares árabes. Desnecessário dizer que caí na rizada.

        De qualquer forma, seu trabalho é um pouco de luz, nas trevas da ignorância ocidental sobre um assunto diretamente ligado ao ocidente. Continue assim amigo, que cada mente iluminada que você conseguir, é uma pequena vitória em nossa luta pela verdade. Abraço amigo.

  3. […] polícia foi atacada tão logo entraram na Esplanada do Monte do Templo por elementos palestinos armados com pedras, bombas incendiárias, fogos de artifício e tubos de metal”, disse […]

  4. […] Kayla Mueller, ativista anti-Israel e escudo humano para grupos terroristas palestinos, foi repetidamente violentada por Abu Bakr al-Baghdadi, líder do grupo terrorista Estado […]

  5. […] a única coisa que parece despertar o interesse da mídia em relação a Israel é a morte de palestinos, após terroristas levarem ao limite a paciência da população e seu governo precisar […]

  6. Por isso mesmo nao assisto mais a rede al qaeda e suas filiais todas distorcem a historia de Israel, que e um jardim de civilizaçao no meio do deserto de cinismo e perversidade arabe.

  7. […] Ora, não é preciso ser especialista para perceber isso, basta ir a Israel e ver a forma como os palestinos tratam os judeus quando estes apenas aproximam-se de uma praça que fica no coração da sua […]

  8. […] Tenho instalado nos meus dispositivos móveis dois aplicativos estratégicos de segurança. A cada rocket lançado sobre Israel os aplicativos disparam alertas conhecidos por Tzeva Adom (צבע אדום) que em português é “Alerta Vermelho”. Os aplicativos são vitais para uma população que continuamente vê-se agredida pelos inimigos que lançam mísseis à partir dos territórios judaicos sob transitório domínio palestino. […]

  9. […] a impotência do pai que conduz seu assustado filho pelas ruas de Jerusalém. Num dos vídeos um palestino chega a chutar um carrinho de […]

  10. […] O incidente é o mais recente desenvolvimento nas tensões crescentes entre israelenses e palestinos. […]

  11. […] palestino foi morto na manhã desta quarta-feira na cidade de Kiryat Gat depois esfaquear um soldado e tentar […]

  12. […] há pouco, no início da noite, mais um atentado com faca em Israel. Um palestino, natural de Hebron, esfaqueou um judeu nas proximidades do principal shopping da cidade de Petah […]

  13. […] Já estive diversas vezes em Ra’anana e nunca vi uma única cena de intolerância neste simpático lugar. Como na cidade há um imenso parque, é normal ver crianças de diversas etnias a brincar pelos seus gramados. Todas bem recebidas e devidamente respeitada pelos moradores da cidade. Inclusive as crianças palestinas. […]

  14. […] o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu emitiu ordem de revogação dos direitos de residência de palestinos responsáveis pelos ataques terroristas. Este é o primeiro passo nas medidas de desestímulo à […]

  15. […] adolescente palestino de 13 anos foi fragrado, armado com uma faca, a correr pelas ruas de Jerusalém, acompanhado do […]

  16. […] de violência contra Israel dos últimos tempos. Nas TVs e redes sociais, Abbas apela às famílias palestinas que enviem seus filhos para o martírio e que enfrentem Israel a qualquer custo. Mesmo que seja a […]

  17. […] judeus não carregam nada nas mãos. Confiando nisso, na manhã de hoje, Fadel Qawasmeh, um jovem palestino de 18 anos, aproximou-se de um colono judeu que voltava das orações que fizera no Túmulo dos […]

  18. […] terrorista palestino esfaqueou um soldado no final deste domingo na cidade de Beersheva. Logo após o ataque, o […]

  19. […] carro conduzido por Hasano foi severamente atingido por pedras atiradas por um grupo de palestinos forçando-o a […]

  20. […] suspeita da invasora, os militares procuraram intercepta-la, mas ela fugiu em direção à aldeia palestina de […]

  21. […] jovem soldado das forças femininas de combate das FDI foi covardemente atacada por dois homens palestinos. A jovem recebeu severas facadas no pescoço e encontra-se em estado […]

  22. […] mais contidos, também podem ser observados nas ruas dos bairros árabes de Jerusalém, onde jovens palestinos flertam abertamente com mulheres turistas que por eles […]

  23. […] passado uma israelense chamada Nassrin Hassan Abdallah Hassan, de 40 anos, que é casada com um palestino residente na Faixa de Gaza.   Segundo investigações da ISA, uma unidade especial de combate ao […]

  24. […] Betar Illit, um assentamento judaico situado um pouco ao sul de Jerusalém, foi esfaqueado por uma palestina que lhe pediu uma informação, ma tarde de hoje em Jerusalém. O atentado ocorreu no momento em […]

  25. […] palestinos armados foram mortos na manhã desta segunda-feira, 16, na localidade Qalandiyah, Judeia. A ação […]

  26. […] tanto belém quanto Gush Etzion estão cercadas (ou tomadas) por palestinos, mas 1350 anos antes de Cristo já se fazia menção a uma cidade judaica chamada Beit Lehem, ou […]

  27. […] madrugada do dia 22 de Abril, 1979, um grupo de terroristas da Frente pela Libertação da Palestina (FLP) invadiram Israel, a partir da fronteira com o […]

  28. […] e 32 artigos, nos quais se abordam “aspectos essenciais da vida e da atividade da igreja na Palestina” (sic), indicou o Vaticano, num […]

  29. […] palestinos terão que inventar uma nova forma de neutralizar os judeus. E se o conseguirem, será por breve […]

  30. […] ao invés de ir para Jerusalém, Eilat, Haifa ou Tel Aviv, Rosenbluth preferiu fixar residência na Cisjordânia, onde dedicou-se a defender gratuitamente os auto-proclamados […]

  31. […] Em 2005, Dayan vendeu sua empresa e passou a investir em outras start-ups na área de TI. Paralelo a isso, tornou-se conferencista na Universidade de Ariel, uma cidade localizada no coração daquela que é conhecida pela mídia internacional como Cisjordânia, mas que NOTÍCIAS DE SIÃO sempre denomina de Judeia e Samaria. […]

  32. […] por não ter conseguido evitar a sua morte, mesmo tendo-se envolvido ferozmente com o terrorista palestino que a […]

  33. […] manhã deste sábado uma palestina invadiu a aldeia judaica de Anatot, a nordeste de Jerusalém. Como a atitude era suspeita, o guarda […]

  34. […] para estas regiões e as generosas reduções de impostos, a Judeia e a Samaria, nome reais da tal Cisjordânia, seriam hoje tão estéreis e degradadas quanto eram quando Israel retomou posse das suas terras em […]

  35. […] Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestina (AP), faz uma declaração incitando as famílias palestinas a darem as vidas dos seus filhos numa luta contra os […]

  36. […] oportunidade de criticar Israel com palavras duras, acusando-o de “crismes de guerra” e de “pilhagem das terras palestinas”. No documento em que apresenta as suas propostas para a política externa norte-americana, Jill […]

  37. […] Um outro movimento que apoiou os protestos e assinou as cartas conclamando ao boicote foi o grupo “Panteras Rosa”, cujos membros, majoritariamente compostos por gays e lésbicas, se apresentam como defensores de uma “Frente de Combate à Lesbigaytransfobia”. Ironicamente, este é um grupo que seria bem-recebido em qualquer um dos restaurantes de Tel Aviv que fizeram parte do Round Tables, mas é completamente improvável que qualquer um dos seus integrantes conseguisse caminhar livremente pelas ruas de Ramallah, na sua (deles) querida “Palestina”. […]

  38. […] parte dos responsáveis pelos incêndios até agora presos são de origem palestina, mas o homem detido na manhã desta sexta-feira é um beduíno de Rahat, uma pequena cidade do Sul […]

  39. […] anúncio, Danny Danon, embaixador de Israel na ONU elogiou a escolha e Riyad Mansour, representante palestino, criticou a nova embaixadora dizendo que ela é reconhecidamente […]

  40. […] Danny Danon, embaixador de Israel na ONU elogiou a escolha e Riyad Mansour, representante palestino, criticou a nova embaixadora dizendo que ela é reconhecidamente […]

  41. […] PARA ENTENDER OS TERMOS USADOS NESTE BLOG CLIQUE AQUI […]

  42. […] AQUI PARA CONHECER NOSSA POLÍTICA EM RELAÇÃO AOS TERMOS PALESTINA E […]

  43. […] NOTA: Neste artigo as palavras “palestinos” ou “Palestina” aparecem 19 vezes. Para conhecerem a política da ANDS sobre as terminologias utilizadas nas suas reportagens, sugerimos a leitura do artigo ISRAEL NÃO É PALESTINA E NÃO EXISTE UM POVO PALESTINO. […]


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: